A Ateofobia "Espírita"

Esta passagem é muito relatada pelos "espíritas" cristãos. Ao tomar conhecimento de um ateu, Chico Xavier se dirigiu a ele e disse a famosa frase: "Você não acredita em Deus? Não importa. Deus acredita em você.", numa clara demonstração da ingenuidade do médium que nunca deixou de ser católico mas preferiu se intrometer na Doutrina Espírita causando um estrago que está sendo quase impossível de se reparar.

Transformada em religião, o "Espiritismo" (entre aspas, pois a verdadeira doutrina NÃO é uma religião) acabou assimilando muitos pontos do Catolicismo medieval, atraindo falanges de espíritos de padres e sacerdotes, seguindo a lei de afinidade, pois espíritos, como homens sem corpo, são atraídos pelos seus interesses pessoais. E se fala-se muito em dogmas católicos no "Espiritismo" brasileiro, não há como atrair espíritos de outro tipo.

E por ser uma religião construída como uma adaptação ao Catolicismo, o "Espiritismo" brasileiro acabou assimilando a concepção antropomórfica de Deus. Kardec fala em "inteligência suprema e causa primária de todas as coisas", o que sugere que Deus não é uma pessoa e portanto o ser que controla o universo não existe a não ser em forma de um conjunto de leis auto-reguláveis das ciências, sobretudo a F´sica, a Química a Biologia e a Astronomia.

Mas Divaldo Franco, uma dos mais famosas lideranças da versão deturpada que assimila dogmas católicos, ao visitar o Papa Francisco numa atitude coerente da "verdadeira fé 'espírita' " , "garantiu" que "Deus é uma pessoa do sexo masculino e isso é está perfeitamente correto", numa violenta discordância com Allan Kardec, pois nem sempre "inteligência" significa "pessoa" e  pessoas não podem ser "causas primárias". Mas o igrejismo católico ainda é forte para uma doutrina cuja versa brasileira surgiu de uma dissidência católica.

Consagrada a forma deturpada, cheia de enxertos católicos, infelizmente quando se fala em "Espiritismo", imediatamente chega a ideia de religiosidade e a figura sedutora de Chico Xavier, que apesar de não ter fundado a deturpação doutrinária (faz mais sentido culpar Bezerra de Menezes por isso), foi o seu principal propagandista, espalhando o vírus da incompreensão doutrinária pelo país afora. E essa consagração interferiu na maneira espírita de entender a existência daquilo que e conhecido como "Deus".

Mesmo tendo ciência da impessoalidade de Deus, através da pergunta feita por Allan Kardec "o QUE e Deus?", os combatentes da versão deturpada do "Espiritismo" acabaram também aceitando o Deus antropomorfizado dos católicos. É como se a ideia do Deus-homem estivesse tao arraigada na humanidade, que acaba por habitar o inconsciente das pessoas, fazendo as pensar que é "biológica" a crença na forma humana de Deus. Para muitos e inaceitável a ideia de uma natureza auto-controlável, tendo a necessidade da manipulação humana para que tudo aconteça. 

A crença em Deus, acreditem, é materialista

E por incrível que pareça, a crença em Deus é materialista e não espiritual. Ela vem da incapacidade que temos em imaginar o mundo espiritual diferente da nossa realidade cotidiana. Se empresas são administradas por pessoas, países, estados e cidades tem que estar sobre controle de algum humano, imaginamos que o universo e os planetas também tenham seus "políticos" e "empresários" divinos a controlar, além dos fenômenos naturais, tudo aquilo que fazemos e pensamos. E nada melhor que "deus" para "presidir" o universo, segundo nossas convicções.

Fica complicado para estas pessoas entender a possibilidade de um Ateísmo Espírita, pois ainda somos incapazes de separar a ideia de mundo espiritual do mundo das divindades. Para quem acha que todo mundo que morre vira santo e defeitos de personalidade morrem junto com os corpos, certamente o mundo espiritual vai parecer sempre como uma igreja, como é relatada nas falsas comunicações de espíritos onde nomes de famosos falecidos são utilizados para fazer propaganda da versão deturpada do "Espiritismo", num ato de desonestidade explícita.

Imagino o mundo espiritual como uma outra dimensão. Não fico preocupado em elaborar características para ele, pois Kardec havia dito, baseado na orientação dos espíritos sérios, que o mundo espiritual em nada se parece com alguma coisa que existe na Terra. Os religiosos, sobretudo os "espíritas" cristãos idealizam tanto o mundo espiritual que com certeza terão uma gigantesca decepção ao chegar do outro lado e não ver aquilo que  foi dito em inúmeras palestras nos centros e nos livros do adorado charlatão Chico Xavier.

Não é absurdo o Ateísmo Espírita. Espíritos não precisam de um velhinho de barba em forma de espírito para poderem viver a sua realdade em dimensões desconhecidas e diferentes das nossas. E nós ateus que acreditamos na vida pós-morte com base em evidências e por aceitar a ideia de que o nada é um absurdo, pedimos respeito, compreensão e o entendimento que "inteligência suprema e causa primária" não se refere a uma pessoa tirana a nos escravizar para que sejamos submissos à sua vontade. A "inteligência suprema" citada pelos espíritos sérios não tem a obrigação de se referir a uma pessoa, espírito ou divindade. Pode ser referir à própria Ciência.

A realidade é muito mais complexa do que os religiosos são capazes de entender. E somente a lógica, a prática da racionalidade e o desprendimento total da fé cega e de seus dogmas e "mestres" poderão fazer que entendamos melhor a "inteligência suprema". Chega de tentarmos procurar uma babá divina para satisfazer as nossas ilusões infantis impostas pela fé.

Não precisamos de um Deus humano para que possamos viver em paz e harmonia. Acreditemos mais nas pessoas do que em dividades. E faremos muito mais coisas em benefício da coletividade, despidos da necessidade de satisfazer os interesses mesquinhos de uma liderança imaginária que insistimos em fingir que existe.

E viva o Dia do Orgulho Ateu! Abraços sinceros e respeitosos a todos que creem e não creem!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em franca decadência, "Espiritismo" brasileiro, consagrado como uma igreja, apela para não acabar

Alegada "impossibilidade" de ateísmo espírita tem origem nos dogmas de Chico Xavier

Por um Espiritismo totalmente divorciado da religião