Deus criado à semelhança das lideranças da Terra

Apesar dos religiosos considerarem a crença em Deus algo espiritual, se irmos fundo e analisarmos bem, chegaremos à conclusão de que acreditar na existência de uma divindade gigantesca e controladora de tudo é bastante material. Tem muito a ver com a noção que temos de liderança terrena e como ela age.

Os fiéis religiosos são na verdade pessoas que não se livraram por completo da imaturidade da infância. Não é absurdo afirmar que a fé religiosa é um resquício da infância. Quem acredita em Deus necessita de um tutor, além de não se incomodar a ter amigos imaginários.

Mas o que eu noto é que a crença em Deus é na verdade a crença em uma grande liderança universal. Uma liderança política, pode se dizer. É acreditar na ordem, no rigor, na presença de uma autoridade que fosse autoritária, fazendo o que quiser, para o bem ou para o mal. Quem leu integralmente a Bíblia, sabe que o Deus Cristão tem aspectos de maldade e pode prejudicar quem ele quiser e quando quiser. Com base em decisões pessoais e não na lógica e no bom senso.

Quem acredita em Deus espera que haja no universo "espiritual" algo muito parecido com o que acontece na Terra, com toda a formalidade e burocracia que se tem direito. Acha impossível que a natureza funcione por si só, exigindo a presença de uma pessoa para que as cisas aconteçam. A própria crença em Deus é também uma descrença na Ciência, pois as explicações deste, difíceis de ser compreendidas por cérebros guiados apenas pela fé, soam absurdas. 

Legal mesmo é a tese de que existe um ditador grandalhão disposto a estabelecer a ordem e a nos conduzir como se fôssemos marionetes suas. Marionetes de Deus. É o que gostaríamos de ser. E por isso mesmo fazemos questão de manter a nossa absurda crença em um ser imaginário, mesmo nunca tendo condições de comprovar a sua existência.

Para cérebros crédulos, o absurdo faz mais sentido do que a lógica.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em franca decadência, "Espiritismo" brasileiro, consagrado como uma igreja, apela para não acabar

Alegada "impossibilidade" de ateísmo espírita tem origem nos dogmas de Chico Xavier

Por um Espiritismo totalmente divorciado da religião