Manifesto do Espiritismo Ateu

Muita gente estranha a possibilidade e haver um Espiritismo Ateu. Acham um absurdo porque se acostumaram com a ideia de que a responsabilidade pela descoberta de tudo que não se conhece como matéria deve ser entregue às religiões. Talvez achem que espíritos sejam divindades até porque as forjadas psicografias publicadas só vivem falando de igreja.

Nada disso. O Espiritismo surgiu como ciência. Se Allan Kardec falou sobre religião é porque já na época dele a ideia de não-materialidade estava embutida nas igrejas e seitas, sendo atribuída a elas a (ir)responsabilidade de descobrir o que está em outras dimensões.

Mas igrejas só vivem de especulações. E o que valida essas especulações é algo que todos conhecem como "fé" que nada mais é a credulidade tola e irracional sendo vista como algo positivo. Se uma liderança religiosa tida como confiável disser que o palhaço Bozo descobriu o Brasil e se isso estiver escrito em um livro tido como "sagrado", todo mundo aceita, acredita e sai defendendo por aí. Tudo porque acham que uma liderança religiosa é (supostamente) incapaz de mentir.

O Espiritismo não deveria ser irracional. Ele surgiu como ciência e é como ciência que deve ser encarada. Esqueçam essa bobagem de "fé raciocinada". É uma contradição. Ou se acredita ou se verifica. E o raciocínio exige verificação. Só devemos acreditar naquilo que possa ser verificado e provado. Se o velhinho de boina que todos amam disser uma asneira, esqueçamos e descartemos como líder. Pessoas inseguras nunca servem como líderes.

Mas porque Espiritismo ateu? Porque Ateísmo espírita? Ora, porque não é necessário que haja uma individualidade para existir espíritos e mundo espiritual. Não é preciso haver um velhinho de barba para existir vida após a morte. O mundo espiritual faz parte da natureza e portanto são as mesmas leis da natureza que devem reger as dimensões desconhecidas da anti-matéria e da não-matéria.

As ciências que já atuam para entender a natureza é que descobrirão o mundo espiritual e outras formas de matéria que não conhecemos. Religiões são mitologias e deuses, incluíndo o "Onipotente" dos cristãos, são invenções humanas para suprir a carência de uma liderança 100% confiável. 

Faz parte do instinto humano a necessidade de termos tutores, líderes e babás para nos cuidar e dizer o que temos que fazer. Com o amadurecimento da humanidade vamos perdendo este aspecto puramente instintivo e caminharemos com as nossas próprias pernas.

Portanto, lançamos aqui uma nova proposta de Espiritismo, mais realista e mais racional. Se Deus é uma inteligência suprema, causa primária de todas as coisas, não precisa ser uma individualidade para que esta bela definição dada pelos espíritos sérios a Allan Kardec seja confirmada. Até porque a utilização de "que" na pergunta ("O que é Deus?") e "inteligência" e "causa" na resposta, sugerem que o que conhecemos como Deus não é uma divindade, uma individualidade e muito menos uma pessoa. É um conjunto das leis da natureza. Portanto não existe um Gigante Invisível a nos dominar.

O Espiritismo ateu pretende focar na realidade, impulsionar a evolução espiritual no aspecto intelectual, bastante abandoado pelos que se assumem como "espíritas" e lançar questões que nos ajude a entender o que não está naquilo que conhecemos como matéria, 

Abriremos mão do moralismo igrejista, da caridade frouxa, do culto às lideranças e mitos e da defesa de dogmas absurdos e contraditórios. Evitemos e descartemos tudo de errado que infelizmente se estabeleceu por mais de 130 anos como sendo "Doutrina Espírita". Os brasileiros vem estragando cada vez mais o Espiritismo, reduzindo-a em uma igreja moralista e idólatra.

Está lançado o blog Espiritismo Ateu (ou Ateísmo Espírita, como preferir). E saibamos de uma vez por todas que não precisamos de uma divindade personificada para continuarmos vivendo em outras dimensões, após a deterioração de nossos corpos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em franca decadência, "Espiritismo" brasileiro, consagrado como uma igreja, apela para não acabar

Alegada "impossibilidade" de ateísmo espírita tem origem nos dogmas de Chico Xavier