Não precisamos acreditar em divindades para fazermos o bem

É tradição em nosso país de considerarmos a bondade como subproduto da religiosidade. Muitos ainda defendem que é impossível ser bondoso sem acreditar nos absurdos que as religiões professam. Para eles, a bondade deve seguir "regras" impostas por um ser cuja existência ainda não foi comprovada, mas que ainda conforta o imaginário de muitos que necessitam de um amigo imaginário a lhes - supostamente - proteger.

Mas o bom senso alerta que não precisamos crer em divindades ou em dogmas ara sermos bondosos. Pelo contrário, a não crença tem sido muito mais eficiente na sua capacidade de auxílio ao próximo, pois a crença em dogmas não raramente tem imposto limites na hora de se praticar um altruísmo que realmente dê resultado.

A bondade na verdade nasce da noção que temos que todos deveriam viver bem, com alcance pleno a direitos essenciais. A racionalidade que garante a observação lógica dos problemas nos permite resolvê-los com mai eficiência e proporcionar um bem estar definitivo para as pessoas auxiliadas. A bondade vem da razão, e a compaixão é apenas um ponto de partida que desperta o altruísmo que será trabalhado pela racionalidade.

A fé, do contrário que se pensa com frequência, nada tem a ver com bondade. Ela usa a bondade como meio de legitimar certos absurdos nascidos da religiosidade que não passa de uma forma moderna de interpretar lendas mitológicas. A fé inclusive tem atrapalhado bastante a melhoria da humanidade, prendendo-a na ignorância crônica, tornando incapaz de discernimento e favorecendo a aceitação passiva e muitos problemas, principalmente nas seitas que defendem a sadomasoquista Teologia do Sofrimento, como o "Espiritismo" praticado no Brasil.

O ceticismo tem tornado a caridade mais eficiente, pois é mais espontânea e racional. Não-religiosos são bons não para agradar dogmas e deuses e sim para solucionar problemas e tentar que pessoas tenham acesso ao bem estar e a dignidade. 

Religiosos, pelo contrário, enxergam na bondade uma obrigação que nem sempre fazem de boa vontade e que não raramente fazem de forma precária. Muitos acham que a bondade é apenas uma forma de obedecer e agradar a divindade em que acreditam e uma forma de garantir um bem estar após a vida. Isso é uma forma mesquinha de ajudar os outros, esperando troca um o reconhecimento alheio, nem que seja apenas das divindades acreditadas.

A bondade deve se desvincular da fé religiosa e se basear na observação racional dos problemas reais que nos aparecem no cotidiano. A bondade nasce da noção que todos devem ter o direito minimo à satisfação das necessidades essenciais e à dignidade. E isso dispensa a fé em alguma divindade ou dogma religioso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em franca decadência, "Espiritismo" brasileiro, consagrado como uma igreja, apela para não acabar

Alegada "impossibilidade" de ateísmo espírita tem origem nos dogmas de Chico Xavier