"Espiritismo" brasileiro altamente intolerante com os ateus

O que os brasileiros conhecem como "Espiritismo" não é Espiritismo. Graças a uma desonestidade doutrinária que faz com que "mestres" sigam uma ideologia apoiando na verdade outra ideologia oposta, o "Espiritismo" brasileiro, para desgosto de Allan Kardec, se transformou e uma igreja, um pastiche do Catolicismo que em nada ajudou a evolução espiritual (principalmente no aspecto intelectual) de seus seguidores. Asneiras estão sendo ditas sem parar por suas lideranças, graças a fé cega que professam e que se empenham em divulgar.

Mas agora, os pseudo-espíritas que tem em Chico Xavier como seu "Deus" máximo e senhor de todas as coisas, extrapolaram de vez. Numa atitude que mistura intolerância com proselitismo religioso, resolveram defender a CRIMINOSA ideia de que o ateísmo estimula o suicídio. 

Várias lideranças pseudo-espíritas tem defendido esta ideia CRIMINOSA que ofende a dignidade humana. Não vamos aqui ficar dando nomes aos touros enfurecidos, mas só a declaração infeliz, acrescido das ameaças feitas a ateus, com pragas rogadas da mesma forma como fazem os neo-pentecostais, vai totalmente contra ao que recomenda não somente a doutrina original, mas os Direitos Humanos consagrados pelas leis mundiais. As lideranças "espíritas" estão encurraladas pela sua insensatez e ofensa a dignidade humana.

Segundo as lideranças "espíritas", ateísmo estimula o suicídio

Argumentam estas lideranças, com base em convicções pessoais resultantes da fé cega, que a crença em uma divindade que eles chamam de "Deus" traria uma noção de esperança para as pessoas e que a não-crença estimularia o suicídio pela suposta falta de apoio desse tutor invisível que muitos fazem questa de fingir que existe.

E como todas as religiões baseadas na fé cega, o "Espiritismo" brasileiro virou uma fábrica de perguntas. Sem ter meios de dar respostas, costuma responder perguntas com mais perguntas que vã se sucedendo até morrerem na desculpa esfarrapada do "Mistério da Fé". "Quando você evoluir, irá compreender", é o que dizem estas lideranças. Mas ninguém evolui num sistema sem lógica, com perguntas sem respostas e tudo fica na mesma. O que prova que as lideranças "espíritas" não passam de uma horda de enrolões a nos iludir com mentiras.

Me expliquem como é que a crença em um ser sem existência confirmada pode significar "esperança" para as pessoas? Ah, não precisa de confirmação? Que medo e esse de tentar comprovar as suas convicções. Até onde eu sei, bandidos e picaretas é que costumam ter medo da confirmação. A análise comprobatória tem a capacidade de destruir valiosas ilusões que servem de fontes de lucros e de prestígio para estas lideranças.Vamos tentar conformar a existência de Deus? Vamos?!! Quem não deve, não tem medo!

O sofrimento resignado é que estimula o suicídio

O que estas lideranças deveriam saber e que quando eu estava neste "Espiritismo" de araque, que obedece, sem analisar, as diretrizes supostamente ditas por um médium burro e seus espíritos mais que trevosos (para dizer um termo que estas lideranças adoram), cheios de péssimas intenções, pensava muito em me matar.

Chico Xavier, o tal médium burro endeusado pelos "espíritas", era um entusiasta da Teologia do Sofrimento, lançada pelo advogado francês Jean Baptiste Roustaing, ferrenho opositor de Allan Kardec. Para quem não sabe, Roustaing é o patrono do "Espiritismo" brasileiro cujo nome todos tem medo de pronunciar, preferindo atribuir a Allan Kardec a autoria das ideias de seu algoz francês. Como se Kardec tivesse escrito as ideias de Roustaing, bem contrárias as da codificação.

A Teologia do Sofrimento defendia que a reencarnação tem a exclusiva função de punição. Quem reencarna é para sofrer e deve aceitar esse sofrimento porque supostamente ele é a porta de entrada para uma felicidade futura (que nunca chegava). A Teologia do Sofrimento se baseia no mito de que Jesus sofreu para nos salvar, algo completamente fora de sentido e que as religiões cristãs aceitam numa boa, como "lição de moral" e "receita de felicidade".

Para os pseudo-espíritas, por exemplo, mendigos são seres privilegiados, pois a situação deles, segundo quem acredita nesta teologia tola, irá conduzi-los para uma prosperidade. É uma ignorância achar que  é preciso sofrer para alcançar a felicidade. O Capitalismo inclusive gostou dessa ideia e a utiliza para impor uma trajetória lamentável, cheia de obstáculos, aos profissionais que desejam progredir na carreira profissional, alimentando o sadismo natural das lideranças capitalistas.

Essa ideia do sofrimento a ser aceito é um bom motivo para fazer com que uma pessoa tenha vontade de se matar. E é esta a base da versão brasileira da "Doutrina Espírita", defendida por estas lideranças ignorantes. 

Felicidade sem a crença em um Deus humanizado

Saibam todos que quando eu larguei esta crença e virei ateu, os caminhos se abriram para mim e pude conhecer a verdadeira felicidade, desistindo de uma vez por todas de me suicidar. Sem o duende que vocês chamam de "Deus", eu pude perceber que o sucesso dependia só de mim, comecei a agir e tudo flui agora. O meu sucesso é graças a meu esforço e não na crença de seres e ideias absurdas. Eu havia me esquecido da grande e verdadeira receita de felicidade: a crença em mim mesmo!

O "Espiritismo" brasileiro caminha para o seu próprio fim. Preso em teses absurdas e idolatrando lideranças incompetentes, o "Espiritismo" brasileiro, mesmo condenando o suicídio, aponta as armas para a sua própria cabeça, pois mal sabem suas lideranças que a falta de um sério estudo doutrinário é capaz de matar uma doutrina que deveria ser racional, mas preferiu construir suas bases na fé cega.

E essas lideranças, irresponsavelmente, mas com dolo, vão matando aos poucos o "Espiritismo" que professam. E tenho certeza que depois desta morte, não haverá oportunidade de reencarnação para esta foma deturpada de "Espiritismo", que Herculano Pires, o verdadeiro mestre brasileiro e discípulo de Allan Kardec, sabiamente chamava de Seita de Papalvos. 

Não sabem o que é papalvo? Se verem no dicionário, estas lideranças não irão gostar...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em franca decadência, "Espiritismo" brasileiro, consagrado como uma igreja, apela para não acabar

Alegada "impossibilidade" de ateísmo espírita tem origem nos dogmas de Chico Xavier

Por um Espiritismo totalmente divorciado da religião