Espíritas brasileiros clamam por um tutor antropomorfizado!

A humanidade ainda se encontra na sua infância coletiva. E como crianças, exigem a presença de um tutor. E este tutor deve ser humano, uma pessoa e de preferência um pouco tirana, pois a sua capacidade de mandar dá uma noção de autoridade, o que nos dá em consequência a ilusão de proteção. Por mais que neguemos, nos gostamos de sermos protegidos por tiranos.

A má interpretação dos espíritas, religiosos ou não, ao que está escrito nas obras da codificação, somada a incapacidade que temos de entender e de imaginar o que está fora da nossa realidade, reforça a crença no Deus-pessoa, mesmo que seja um Deus-espírito. Ora, espíritos são pessoas sem os corpos e se Deus e espírito, logo Deus é uma pessoa, ou seja uma antropomorfização à moda espírita.

Quando dissemos a esses espíritas sobre a possibilidade de uma ateísmo espírita, eles logo se arrepiam: "Vou ficar sem meu tutor?", certamente a reação mais comum. Ficar sem um tutor soa como um pesadelo para os teístas e criar um tutor imaginário, construído ao gosto de cada fiel, gera tranquilidade para os que ainda precisam de alguém para lhes ajudar a andar.

Ignoram a possibilidade do universo ser auto-sustentável, como se as leis naturais fossem tão imperfeitas que deveriam ser controladas por um interventor a agir em favor da própria vontade.

Ainda vai demorar muito para as pessoas entenderem o absurdo de um universo imenso ser controlado por um poderoso homem, imperfeito e autoritário, apesar dos rótulos antônimos que costuma estar associado. Crianças como ainda somos, desejamos ter uma babá divina a pensar por nós ao mesmo tempo que pretende nos escravizar para que satisfaçamos gratuitamente as vontades divinamente mesquinhas desse "criador" criado por nós.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em franca decadência, "Espiritismo" brasileiro, consagrado como uma igreja, apela para não acabar

Alegada "impossibilidade" de ateísmo espírita tem origem nos dogmas de Chico Xavier