Acreditar em Deus é instinto

Muita gente estranha o ateísmo. A maioria das pessoas não consegue entender o ateísmo achando que é impossível a humanidade não estar sob o comando de uma pessoa. Acostumados pela existência das lideranças terrestres, não estamos capazes de aceitar uma sociedade sem lideranças, achando que acontece o mesmo em relação o universo.

Na verdade, a crença em uma liderança, ou em uma divindade (que no fundo é um tipo de liderança) faz parte do instinto humano. Ainda achamos necessária a existência de um "peão" a guiar o "gado". Achamos que deveríamos ter alguém a nos guiar, como um tutor, um chefe ou até mesmo um "pai".

Não por acaso, a mesma sociedade que exige a existência de um "Senhor do Universo", não aceita também a anarquia (sociedade sem lideranças), considerando a palavra como sinônimo de "caos" por acreditar que só uma sociedade com lideres pode ser capaz de ser organizada. 

Mas a prática mostra que muitas vezes que isso pode estar errado, pois a liderança é como uma droga, que pode ser facilmente abusada por quem a possui, pois em muitos casos, os líderes na possuem alguém acima deles para os frear. E os abusos de líderes tem feito grades estragos na sociedade e continuam fazendo até hoje.

E as religiões, todas baseadas nesta suposta liderança universal, também acabam criando a sua forma de caos, com um festival de lendas contraditórias que regem as vidas das pessoas as impedindo muitas vezes de ter acesso aos direitos mais básicos.

Mas ainda assim, as pessoas ainda preferem a existência de lideranças como um ma necessário. Um mal bem nocivo e que não para de causar seus estragos, mas traz ilusório conforto às pessoas que as defendem.

Como verdadeiros patinhos carentes a sair do ovo necessitando de qualquer coisa que faça o papel de tutor a satisfazer o ilusório instinto de proteção de lideranças, sejam terrestres ou divinais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em franca decadência, "Espiritismo" brasileiro, consagrado como uma igreja, apela para não acabar

Alegada "impossibilidade" de ateísmo espírita tem origem nos dogmas de Chico Xavier

Por um Espiritismo totalmente divorciado da religião