Acreditar em Deus é prova de nossa imperfeição

A crença em Deus é algo tão arraigado em nossa sociedade que a maioria prefere continuar acreditando, mesmo com a total falta de evidências. Fomos educados a não exigir provas para que "Ele" exista e por incrível que pareça, a crença em Deus tem muito a ver com a nossa imperfeição e com a nossa imaturidade. 

Listo aqui os defeitos que nos impulsionam a acreditar numa divindade cuja existência pode ser perfeitamente refutada, por não bater com a lógica e por representar a maior de nossas ilusões. O maior de nossos ópios.

- O nosso desprezo pela lógica: Não gostamos de pensar. Apesar do rótulo de "inteligentes" fazer bem ao nosso ego, é incômodo ser inteligente de fato. Ser inteligente exige esforço e abnegação. Por isso mesmo a ideia de Deus parece aceitável simplesmente porque não nos preocupamos em pensar sobre ela. Acreditamos em Deus porque sim e não achamos necessário verificar se essa crença corresponde a realidade ou não. Se parece confortável acreditar e Deus, continuamos acreditando. E ai de quem nos estimular a desistir desta crença.

- Carência de proteção: Ainda não não estamos preparados para andar com as nossas pernas. Como verdadeiras crianças, queremos um tutor, alguém acima de nos para nos servir de babá a atender aos nossos chiliques. Graças a nossa preguiça instintiva, desejamos que alguém faça as coisas por nós e Deus parece ser a figura perfeita para esta função. Mesmo que nada mude após um pedido ou uma oração, com os fiéis com cara de tacho esperando um benefício que nunca chega.

- Materialismo: Do contrário que muitos pensam, a ideia de Deus é material. Sim, material. Nada tem a ver com espiritualidade. Somos incapazes de imaginar o que está além de nossa realidade e entendendo Deus como a suposta maior liderança do universo, tomamos as lideranças terrestres como referência para que criemos a imagem e o conceito de Deus. Se achamos natural um país enorme como o Brasil estar sendo governado por uma pessoa, achamos natural também que o universo infinito, em constante expansão seja controlado por uma pessoa. Isso parece simples dentro da nossa visão limitada da realidade.

- Medo da solidão: A maioria das pessoas é religiosa. Há também os que acreditam em Deus sem se prender a algum dogma. Mas quase todos reprovam a ideia do ateísmo pela necessidade de imaginar um tutor com características humanas para cuidar do universo. Essa reprovação ao ateísmo e a quase unanimidade religiosa fazem com que muitos optem por acreditar em Deus. Vejam só: "se a maioria acredita em Deus é porque Ele existe", pensamento arraigado na mente da maioria e que parece suficiente para muitos como prova de existência divina. Com tanta gente acreditando em Deus, a não-crença parece algo que vai nos deixar sozinhos e desprovidos de certos benefícios fundamentais.

- Falsa noção de moral e bondade estereotipada: Para mitos, acreditar em Deus é ser bondoso, não acreditar e ser malvado. Para boa parte dos religiosos a crença em Deus significa bondade porque ele supostamente seria o legislador da noção que temos de altruísmo e que sem a orientação d'Ele não conseguiríamos ajudar-nos uns aos outros. Há também que ache que a simples crença em Deus já seria sinal de bondade, como se fôssemos incapazes de ser bondosos por conta própria. O que e estranho, já que não precisamos de influência alheia para termos a inciativa de ajudar o próximo, bastando para isso uma noção de bem estar coletivo, que curiosamente muitos religiosos (sobretudo os simpatizantes de ideologias políticas de direita) não possuem.

- Confiança cega em lideres religiosos: Quem divulgou a suposta existência de Deus foram os líderes religiosos. As religiões, sem exceção, foram criadas como forma de domínio não-político (exceto algumas crenças que defendem  a teocracia), fazendo com qu multidões possam estar submetidas as vontades de uma minoria de homens a usar sua influência para ver seus interesses particulares atendidos. Com promessas de felicidade que nunca se realizam e a exploração da necessidade da sociedade em ter um tutor, os religiosos se tornam sub-tutores da sociedade, representando a falsa proteção que não conseguem obter de outra forma.

- Fascínio por estórias mirabolantes: Desde crianças convivemos com estórias de ficção. E quanto mais maravilhosas e surreais forem, mais fascinantes se tornam. E do modo que as estorias aparecem escritas na Bíblia, na verdade um livro de lendas a passar lições de moral da época, nos encanta a ponto de tomarmos com nossa filosofia de vida. Por mais absurdas que sejam, as estórias religiosas parecem mais bonitas e desejamos que o que é narrado nelas seja entendido como realidade, pois está de acordo com os nossos anseios e com o nosso costume de enxergar a ida como uma novela, já que passamos boa parte do tempo dando importância a estorias ficcionais que vemos na TV e no cinema.

- Busca por sensação de prazer: Sendo uma espécie de ópio, a crença em Deus traz uma sensação prazerosa na alma. Eu já fui religioso e sei disso. Quem acredita em Deus está a procura deste prazer (que os próprios religiosos consideram a manifestação da presença divina) e abrir mão dessa crença seria abrir mão dessa sensação de prazer. Por isso que muitos se irritam com o ateísmo ou com criticas a sua religiosidade, pois entendem como uma censura a esse direito de sentir esta forma de prazer tão peculiar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em franca decadência, "Espiritismo" brasileiro, consagrado como uma igreja, apela para não acabar

Alegada "impossibilidade" de ateísmo espírita tem origem nos dogmas de Chico Xavier